quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Gourmand Trash: Néctar de Banana Sufresh

A Josi sabe que eu tenho um problema, e que não encontra hora nem local pra acontecer. Isso normalmente faz com que eu fique completamente impotente (não daquele jeito, muito obrigado), e a minha digníssima companheira com uma reação que mistura nojo e vergonha de uma forma inclassificável (como dito anteriormente, não é daquele jeito!). A verdade é que eu não aprendo: tenho que experimentar as coisas mais diferentes do mundo – bem, não tão diferentes.
É um verdadeiro vício. Me lembro de uma vez comprar no Angeloni um refirgerante de um litro de menta com limão que era de um azul que lembrava o cruzamento de uma canetinha com neon, que além de me deixar com a língua azul por um dia inteiro, me deixou mijando verde. Eu devia ter desconfiado a partir do momento que eu vi que um litro de refrigerante custava menos de um real...
Mas o fato é que, seja junk food, seja um prato de gourmet, a gastronomia é uma promiscuidade da qual eu quero tirar proveito. Acho que isso vem desde o dia que eu experimentei um pedaço de presunto com mostarda e mel (e acreditem quando eu digo que esse é o meu prato top no quesito misturas comuns com sabores surpreendentes), e que juntamente com uma experiência desesperada em casa – comi as únicas coisas que tinham em casa: salame e leite condensado – me mostraram que: a) tem muita mistura boa na tua cozinha esperando acontecer, e b) se não ficar bom, o sabor logo sai da boca, e em poucas horas, do teu corpo.
Isso nos leva a nossa materiazinha de hoje (que eu espero que se torne uma série), onde eu pretendo resenhar o que me aparecer de diferente. Sejam bem-vindos ao “Gourmand Trash”.



Néctar de Banana Sufresh

A nossa estréia veio dos corredores do Angeloni de Itajaí (o melhor lugar da cidade pra encontrar as generalidades alimentícias), e me saltou aos olhos pelo motivo óbvio: Suco de Banana??? Eu já achava estranho conceber o suco de manga, que é uma fruta carnuda tal qual a banana, porém mais suculenta, e então me aparecem com isso. Só falta lançarem suco de que, abacate? Mais do que rapidamente, joguei a latinha no carrinho, sob os olhares suspeitos da Josi, e tocamos pra casa.

E a verdade é que o suco não é de todo ruim. Ele obviamente é bem encorpado (parece um mingauzão aguado), e deve agradar quem gosta da fruta – não tá no meu top 10 nem de perto. Também me pareceu ser bem natural, porque a cor não é muito forte, nem o cheiro. O sabor tá mais pra banana passa que pra fruta natural. O problema foi o um after-taste meio estranho, meio pesado. Certamente não é uma boa pedida pra acompanhar um lanche, se encaixa melhor na categoria de suco/refeição.



A impressão que fica é que a Sufresh meio que deixou a coisa rolar, sem se importar em deixar a coisa industrializada (vide sucos de morango, que tem aquele cheirão e cores vivaças). Ponto pra eles que, à sua própria maneira, tiraram leite de pedra.

3 comentários:

Josie Mendes disse...

Kenzo, sou o oposto! Não consigo provar nada novo, ainda mais misturebas malucas!!

E o intestino??


uahuahuahuauhuahuhauh

Fernanda Winckler disse...

experimente salsicha com chandelle branco.
é meu favorito de esquizitices. sério.

MariPipoca disse...

O Néctar de Banana da Sufresh nada mais é que uma imitação aguada do Banawá, que era 100 vezes mais gostoso e saboroso. Mas que infelizmente saiu do mercado.
Mas, quem não tem Banawá, caça com Sufresh. E para os orfãos do néctar dos deuses, eu recomendo sim o Sufresh de Banana!!!